Eleições 2018: Presidente do Seac-RJ participa de evento com o candidato Alckmin

98

As eleições se aproximam e mais do que nunca é necessário estar ciente das plataformas de governo dos candidatos à presidência.  No dia 08, o presidente do Seac-RJ e membros da diretoria do Sindicato estiveram presentes em um evento realizado pela Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ) com presença o pré-candidato à Presidência da República Geraldo Alckmin (PSDB). O ex-governador de São Paulo falou sobre segurança pública, educação e política econômica. 

“O Governo Federal tem que liderar o trabalho do combate à criminalidade. Tráfico de drogas, de armas, contrabando. Esse problema é nacional. É preciso inteligência e informação”, declarou.

O tucano avaliou que é preciso diplomacia e uma ação em conjunto com países vizinhos para o combate às drogas. “O crime não tem fronteira. Esse é um problema latino americano”, ponderou. “A dependência química é doença, uma questão de saúde publica”, completou. Alckmin ainda lembrou o caso de Nova York, que era uma cidade violenta e, com uma política de “tolerância zero” aplicada pelo prefeito da cidade, passou a ser segura. “Polícia é ação de território. Agora foi aprovado o SUSP (Sistema Único de Segurança Pública), na Câmara dos Deputados, em abril. Temos que ajudar na presença nos bairros, a trazer o governo das cidades para ser parceiro do Estado nesse trabalho”, avaliou.

Ricardo Garcia e o deputado federal Otávio Leite (PSDB-RJ)

Sobre alianças com partidos, o tucano disse que as conversas acontecerão até julho, quando serão realizadas as convenções. “Se dependesse de mim, nós já estávamos juntos com o PSB. Agora, temos que respeitar. É outro partido, tem uma lógica própria”, disse.

O ex-governador comentou ainda que o turismo deve ser prioridade absoluta, já que é um grande gerador de empregos, mas que é um caminho a ser percorrido ao lado da segurança pública. “Sou favorável à legalização dos jogos. O desafio do mundo moderno é esse: o futuro do emprego. Porque a tecnologia desemprega. A tecnologia permite produzir mais com menos gente. Mas a economia moderna não inventou consumo sem salário”, avaliou.

Com dados da assessoria de imprensa da Associação Comercial do Rio de Janeiro (ACRJ)

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor, digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui